Terça, 18 de Janeiro de 2022 07:01
23°

Poucas nuvens

Marechal Cândido Rondon - PR

Dólar com.

R$ 5,52

Euro

R$ 6,3

Peso Arg.

R$ 0,05

Opinião Opinão

Ômicron tem seu lado bom

Primeiro porque a Ômicron é menos agressiva que a Delta...

13/01/2022 23h01
Por: Editor
Ômicron tem seu lado bom

Estamos entrando no terceiro ano da pandemia. Quando pensávamos que estávamos saindo desse mal que nos atingiu nos últimos dois anos, surge a variante Ômicron, que já dominou o mundo.

Apesar de todas as notícias negativas esta variante tem seu lado positivo. A revista Slate e o jornal The New York Times trouxeram informações relevantes sobre a nova mutação da Covid-19.

No Brasil, seis em cada 10 infectados nos últimos dias pegaram a variante nova. O restante foi contaminado pela Delta, que era a variante dominante até poucas semanas atrás. Por isso, é correto afirmar que estamos vivendo uma terceira onda no Brasil, e talvez ela seja a pior de todas em número de contaminados.

Os sintomas da Ômicron aparecem, em geral, no terceiro dia de contaminação. Os da Delta apareciam no quinto dia. A nova variante, a princípio, também desaparece mais cedo.

A ômicron pode ser um dos vírus de mais rápida propagação da história. Uma fonte ouvida pelo jornal El País fez um cálculo comparando a nova variante com o vírus do sarampo, um dos mais contagiosos do planeta. A conclusão: num cenário de ausência de vacinação, um caso de sarampo daria origem a outros 15 casos em apenas 12 dias. Já um caso de Ômicron daria origem a 216 casos no mesmo período. Impressionante, não é?

Mas o que pode haver de bom nisso?

Primeiro porque a Ômicron é menos agressiva que a Delta, seus efeitos são mais brandos e, sobretudo, ela tende a não atacar com violência os pulmões, se concentrando muito mais no nariz e garganta. A possibilidade de parar numa UTI e ser entubado cai muito, assim como a de morrer pela doença.

Melhor que isso é que a Ômicron parece proteger contra a Delta, o que significa que a nova variante deve "engolir'' a antiga e virar o vírus dominante no mundo. Muitos cientistas têm esperança de que o fim da pandemia aconteça por conta disso, somada a ampliação da vacinação, uma vez que é inquestionável que as vacinas estão segurando a onda, diante da queda visível do número de mortos pela doença.

Mas essa terceira onda chega num momento em que nosso psicológico já está no limite. Estávamos contando com o fim aparente da fase aguda da pandemia para reatar os laços sociais e a vida lá fora. Portanto, essa é a péssima notícia. A vida normal vai ter que esperar.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Editorial
Sobre Editorial
A opinião do Tribuna do Oeste.
Marechal Cândido Rondon - PR
Atualizado às 06h42 - Fonte: Climatempo
23°
Poucas nuvens

Mín. 23° Máx. 37°

23° Sensação
4 km/h Vento
81% Umidade do ar
90% (11mm) Chance de chuva
Amanhã (19/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 35°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Quinta (20/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 36°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias